Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página

Laboratórios do IFPA campus Bragança iniciam a produção de álcool etílico glicerinado para abastecer postos de saúde do município

Publicado: Segunda, 11 de Maio de 2020, 22h22 | Última atualização em Quinta, 21 de Maio de 2020, 09h55 | Acessos: 200

Iniciativa em parceria com a prefeitura vai fornecer solução antisséptica para unidades de saúde de Bragança durante o enfrentamento da pandemia de covid-19

imagem sem descrição.

 

O laboratório de Química do IFPA campus Bragança iniciou, na segunda-feira (11), a produção de álcool etílico glicerinado 80% para abastecer as unidades de saúde do município. A iniciativa, coordenada pelos professores de química Augusto Rocha e Miguel Braga, ocorre em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Bragança, que forneceu os insumos para o preparo, e com o Conselho Regional de Química da 6ª Região (CRQ VI), por meio da campanha Química Solidária. 

Hoje nós enfrentamos uma escassez desses produtos, que são necessários principalmente para os serviços médicos", explica o professor Augusto Rocha.

Serão produzidos 1,2 mil litros de álcool etílico glicerinado 80%, eficaz para a higienização das mãos, para a desinfecção de superfícies e utensílios e eliminação do vírus SARS-CoV-2, o novo coronavírus, causador da covid-19. A fabricação segue os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS) e as orientações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"Em razão da alta demanda por esses materiais, a Anvisa liberou a produção destas soluções por instituições de pesquisa e de ensino, como a nossa. Hoje nós enfrentamos uma escassez desses produtos, que são necessários principalmente para os serviços médicos", explica o professor Augusto Rocha. As atividades de produção obedecem  diretrizes da Anvisa firmadas pela RDC 350/2020 e pela nota técnica nº 3/2020/SEI/DIRE3/ANVISA, que detalha a autorização excepcional e temporária concedida no período de combate à covid-19.

A opção pelo álcool glicerinado, que tem eficácia antisséptica equivalente ao álcool gel 70%, ocorre pela dificuldade na aquisição de insumos como o carbopol, necessário para a produção do gel. O álcool glicerinado tem na sua formulação etanol (álcool etílico), propanotriol (glicerina), peróxido de hidrogênio e água destilada. A glicerina funciona como hidratante para as mãos, evitando que a alta concentração de etanol resseque a pele e garantindo que o álcool permaneça por mais tempo no local.

 
Parceria

Na manhã de segunda (11), o prefeito de Bragança, Raimundo Nonato de Oliveira, e o secretário de Saúde, o vice-prefeito Mário Ribeiro Júnior, estiveram no campus para acompanhar o início da fabricação do álcool glicerinado. Eles foram recebidos no laboratório pelos professores Augusto Rocha e Cristóvam Diniz e pelo diretor administrativo do Campus Bragança, Maurício Quadros. 

Os insumos para o início da produção dos antissépticos foram adquiridos pela Prefeitura de Bragança e entregues na sexta-feira (8). A produção transcorre durante toda a semana para a entrega do primeiro lote de 400 litros à Secretaria Municipal de Saúde até sexta-feira (15). 

Testes - Ainda durante a visita, o prefeito se comprometeu a dar prosseguimento à aquisição de reagentes e equipamentos para a realização de testes da covid-19 no Laboratório de Biologia Molecular e Neuroecologia (LBN) do IFPA. O projeto elaborado pelo Campus Bragança e apresentado à Secretaria Municipal de Saúde prevê a disponibilização de 1.000 testes de PCR em tempo real (qPCR), que serão executados por técnicos do laboratório em parceria com profissionais do hospital Santo Antônio Maria Zaccarias. De acordo com o professor Cristovam Diniz, que coordena a ação, a iniciativa reduzirá o tempo de espera entre a coleta das amostras e os resultados, com alto grau de confiabilidade que o PCR em tempo real permite. 

"Sabemos que a prefeitura está tentando fazer fluir as ações de combate. Acreditamos que em algum momento eles vão conseguir implementar a aquisição dessa unidade de diagnóstico", explica o professor Mauro Melo, coordenador de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação do IFPA campus Bragança. "Outra possibilidade é através de um projeto enviado por nós para um edital da Capes para o enfrentamento da covid-19, onde também solicitamos o equipamento e os reagentes. A expertise para a realização dos testes, nós temos no laboratório, basta conseguirmos o equipamento e os reagentes", diz Mauro. Segundo o professor, uma vez instalada a unidade de diagnóstico, o custo para cada 1.000 testes é de R$ 30 mil reais.

 

Preparação

O contato do IFPA com a prefeitura para a celebração de parcerias para o enfrentamento da pandemia da covid-19 foi feito pelo agente de inovação do campus, Rodrigo Barata, e articulado diretamente junto ao secretário municipal de Saúde, Mario Ribeiro Junior. A compra dos insumos foi o maior gargalo para o início do projeto, dado o aumento da demanda e a escassez no mercado no período de enfrentamento da covid-19. "Eu estive em contato com professores de outros IFs pelo Brasil e a situação é a mesma. Os fornecedores estão com dificuldade de oferecer esses insumos, alguns estão pedindo até 90 dias para entregar", explica o professor Augusto Rocha.

Medidas de segurança

A produção do álcool glicerinado no Campus Bragança é feita em duplas ou trios, para evitar aglomerações nos espaços. O processo é conduzido pelos professores de química, com o apoio dos professores Renan Bernardi e Cristovam Diniz, da Biologia, além do aluno Raul Campos, da Agroecologia, que já desenvolve trabalhos no laboratório. Além do laboratório de Química, haverá produção no laboratório de Biologia, ampliando a capacidade de produção do campus em caso de aumento de demanda. 

Antes do início dos trabalhos, o laboratório de Química do IFPA em Bragança passou por adequações técnicas, parte delas feitas por parceiros voluntários do instituto. Entre elas, a instalação elétrica necessária para colocar em funcionamento o destilador utilizado no preparo dos antissépticos. 

Com a iniciativa, o campus Bragança se junta aos campi de Itaituba, Tucuruí, Santarém, Abaetetuba e Belém na produção de material para o enfrentamento da covid-19. 

Como medida de segurança e para proteger a comunidade escolar e contribuir com a diminuição do contágio pelo coronavírus, o IFPA suspendeu as atividades educacionais presenciais em todas as suas unidades desde o dia 19 de março. Para informações detalhadas sobre as medidas do IFPA no enfrentamento ao coronavírus, acesse ifpa.edu.br/coronavirus.

registrado em:
Fim do conteúdo da página